domingo, 27 de março de 2011

Deputado Marcos Feliciano bem superior no debate com oposição

Deputado Marco Feliciano responde acusações e interesses de deputado gay Jean Wyllys Sem citar nomes, mas deixando claro falar de Jean Wyllys, o deputado Marco Feliciano respondeu as acusações que o ex BBB fez as igrejas cristãs e o chamou para discutir sobre os temas polêmicas com relação aos gays: casamento gay, PL 122 e adoção de crianças por homossexuais.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel Com a ajuda da Senadora Marta Suplicy, Jean pretende fazer um “rebuliço”, como afirmou, na câmara federal, dizendo que sua luta será contra a bancada evangélica. O deputado carioca também afirmou que pedirá a abertura da contabilidade das igrejas evangélicas que recebem dízimo. Em cima disso o pastor Marco Feliciano fez um pronunciamento rebatendo tais informações dele.
Abaixo você confere a integra do pronunciamento do deputado Pastor Marco Feliciano na Câmara Federal:
É com grande satisfação que uso desta tribuna, neste momento, para manifestar minha preocupação com atitudes e posições de colegas que dizem representantes de minorias e tentam inverter valores, visando instalar uma ditadura de minorias nesta Casa, em contraponto com a grande maioria de deputados representantes de grupos de pessoas que prezam pelos bons costumes, não se reduzindo a apenas Deputados da Frente Evangélica.
Quando o assunto passa para questionamento da prestação de contas das igrejas, o nobre deputado envereda pelo campo do confronto, demonstrando vontade de atuar em todas as direções, falta de abstração intelectual para apresentar motivos mais substanciais para justificar sua lide e aconselho o nobre colega a verificar na internet, a prestação de contas de todas as igrejas, pois possuem um corpo de administração, com tesouraria e relatório de prestação de contas. Muitas com trabalho social tão relevantes, tirando drogados das ruas e amparado órfãos e idosos, muitas vezes as despesas superando em muito, as receitas.
Sabemos que a mídia sempre dá destaque para posições polêmicas. Entendemos e respeitamos, mas não estamos aqui para municiar debates midiáticos e sim, para bem representar os milhões e milhões de brasileiros que professam uma fé calcada no que Ensina o Livro Sagrado – Uma família é constituída por pai, mãe e filhos – base para qualquer sociedade se desenvolver no trabalho, na educação e ser feliz. Esse é o objetivo de quem foi constituído pelo povo para representá-lo nesta Casa de Leis.
Graça a Deus, esta Casa é um parlamento democrático e convido o nobre colega para um debate de idéias, sem preconceitos e para que possamos como gente civilizada e hoje, na posição de legisladores, podermos encontrar um caminho para o bem comum, com respeito à posição individual de cada um, desde que não intencionemos fazer com que, por causa da impressão que se quer dar, de fragilidade de determinados grupos, venhamos a renunciar a valores inegociáveis de nosso caráter e formação
Fonte: Gospel+

quinta-feira, 24 de março de 2011

domingo, 6 de março de 2011

Vídeo do MEC faz apologia ao homosexualismo para crianças

Encontrando Bianca”: Vídeo do MEC faz apologia ao homosexualismo para crianças de 7 a 10 anos

Postado por Sergio Zabotto 0 comentários

Quero deixar bem claro, antes de mais nada, que eu pessoalmente não tenho nada contra homossexuais. Tenho inclusive alguns amigos que se encaixam nesta categoria. Mas daí para incentivar crianças pequenas a serem homossexuais, isto é uma questão muito diferente.

Encontrando Bianca” é um dos vídeos que integram o “kit contra homofobia” que o MEC planeja enviar para seis mil escolas de ensino médio de todo o país no ano que vem. Ele foi exibido durante seminário sobre o tema na Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados no início deste mês.

Um convênio firmado entre o Ministério da Educação (MEC), com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), e a ONG Comunicação em Sexualidade (Ecos) produziu kit de material educativo composto de vídeos, boletins e cartilhas com abordagem do universo de adolescentes homossexuais que será distribuída para 6 mil escolas da rede pública em todo o país do programa Mais Educação.

O trecho do debate incluindo o vídeo “Encontrando Bianca” pode ser visto abaixo. Este vídeo foi divulgado pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) em seu canal no YouTube. “Esse kit tem título de combate à homofobia mas, na verdade, é um estímulo ao homossexualismo, um incentivo à promiscuidade“, disse Bolsonaro durante o encontro.



O resumo da história: “um menino chamado Ricardo de 9 anos entra no banheiro da escola e, observa seu coleguinha fazendo xixi,ele se sente atraido pelo coleguinha e declara seu amor por ele. Na sala de aula, a tia o chama pelo nome, Ricardo, mas ele retruca, meu nome é BIANCA. No final estimula as crianças a assumirem sua identidade homossexual, e, a cartilha afirma que esta é uma atitude correta a ser tomada dentro de sala de aula.”

Em Campo Grande, sob o comando do presidente da Câmara, Paulo Siufi (PMDB), vereadores querem proibir a distribuição do kit .

Enquanto isto vemos de todos os lados uma artilharia contra o deputado, o acusando de homofóbico e inclusive que estaria sugerindo a violência contra homosexuais. Eu sou da opinião que cada um, dentro do limite do bom-senso é claro, educa seus filhos da maneira como quiser. Agora querer se intrometer na educação alheia e tentar mostrar quão bom é ser gay, e que isto é normal já foi longe demais. Querer calar críticos usando o adjetivo de homofóbico é a mesma coisa que chamar aqueles que denunciam Israel como anti-semitas.

Assine o abaixo assinado que pede a proibição da distribuição deste kit.




Qual a sua opinião? Voce acha que este “kit” acabará por incentivar ao homosexualismo jovens crianças


http://www.youtube.com/watch?v=Oonog6fJe_U&feature=player_embedded

Jair Bolsonaro na TV camara denunciando o Kit Gay:



Neste outro vídeo o deputado discute no programa Manhã Maior a mesma questão. A forma como a outra convidada tenta sugerir que uma palmada poderia provocar a queda e a morte de uma criança é realmente uma piada:


Fontes:

Blog: Veja “Encontrando Bianca” do kit contra homofobia

O Galileu: MEC irá distribuir KIT GAY nas escolas para crianças de 7 a 10 anos, veja vídeo

Terra: MEC prepara kit anti-homofobia e provoca reação

Blog Marco Eusébio: Vereadores querem barrar “kit gay” nas escolas

Fonte: Teologia, Filosofia e Graça







































O QUE ESTÃO QUERENDO ENSINAR NAS ESCOLAS

Encontrando Bianca”: Vídeo do MEC faz apologia ao homosexualismo para crianças de 7 a 10 anos

Postado por Sergio Zabotto 0 comentários

Quero deixar bem claro, antes de mais nada, que eu pessoalmente não tenho nada contra homossexuais. Tenho inclusive alguns amigos que se encaixam nesta categoria. Mas daí para incentivar crianças pequenas a serem homossexuais, isto é uma questão muito diferente.

Encontrando Bianca” é um dos vídeos que integram o “kit contra homofobia” que o MEC planeja enviar para seis mil escolas de ensino médio de todo o país no ano que vem. Ele foi exibido durante seminário sobre o tema na Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados no início deste mês.

Um convênio firmado entre o Ministério da Educação (MEC), com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), e a ONG Comunicação em Sexualidade (Ecos) produziu kit de material educativo composto de vídeos, boletins e cartilhas com abordagem do universo de adolescentes homossexuais que será distribuída para 6 mil escolas da rede pública em todo o país do programa Mais Educação.

O trecho do debate incluindo o vídeo “Encontrando Bianca” pode ser visto abaixo. Este vídeo foi divulgado pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) em seu canal no YouTube. “Esse kit tem título de combate à homofobia mas, na verdade, é um estímulo ao homossexualismo, um incentivo à promiscuidade“, disse Bolsonaro durante o encontro.



O resumo da história: “um menino chamado Ricardo de 9 anos entra no banheiro da escola e, observa seu coleguinha fazendo xixi,ele se sente atraido pelo coleguinha e declara seu amor por ele. Na sala de aula, a tia o chama pelo nome, Ricardo, mas ele retruca, meu nome é BIANCA. No final estimula as crianças a assumirem sua identidade homossexual, e, a cartilha afirma que esta é uma atitude correta a ser tomada dentro de sala de aula.”

Em Campo Grande, sob o comando do presidente da Câmara, Paulo Siufi (PMDB), vereadores querem proibir a distribuição do kit .

Enquanto isto vemos de todos os lados uma artilharia contra o deputado, o acusando de homofóbico e inclusive que estaria sugerindo a violência contra homosexuais. Eu sou da opinião que cada um, dentro do limite do bom-senso é claro, educa seus filhos da maneira como quiser. Agora querer se intrometer na educação alheia e tentar mostrar quão bom é ser gay, e que isto é normal já foi longe demais. Querer calar críticos usando o adjetivo de homofóbico é a mesma coisa que chamar aqueles que denunciam Israel como anti-semitas.

Assine o abaixo assinado que pede a proibição da distribuição deste kit.





Qual a sua opinião? Voce acha que este “kit” acabará por incentivar ao homosexualismo jovens crianças



http://www.youtube.com/watch?v=Oonog6fJe_U&feature=player_embedded

Jair Bolsonaro na TV camara denunciando o Kit Gay:




Neste outro vídeo o deputado discute no programa Manhã Maior a mesma questão. A forma como a outra convidada tenta sugerir que uma palmada poderia provocar a queda e a morte de uma criança é realmente uma piada:


Fontes:

Blog: Veja “Encontrando Bianca” do kit contra homofobia

O Galileu: MEC irá distribuir KIT GAY nas escolas para crianças de 7 a 10 anos, veja vídeo

Terra: MEC prepara kit anti-homofobia e provoca reação

Blog Marco Eusébio: Vereadores querem barrar “kit gay” nas escolas
 
Fonte: Teologia, Filosofia,

ESTÃO QUERENDO DISTRIBUIR AS CRIANÇAS NAS ESCOLAS O KIT GAY, INDUZINDO AO HOMOSEXUALISMO

Paquistão: Cristãos denunciam perseguição religiosa

Paquistão: Cristãos denunciam perseguição religiosa

Postado por Sergio Zabotto 17 Novembro 2010

Uma mulher cristã foi condenada à morte, no Paquistão, por alegadamente ter blasfemado contra o Islão.

Asia Bibi, de 45 anos, estava na prisão desde Junho de 2009, depois de ter sido acusada, no seu trabalho, de ter falado contra Maomé.

"Os cristãos estão sob ataque, através do uso instrumental da lei anti-blasfémia. Este tipo de acusações têm-se sucedido e estamos muito preocupados” refere Peter Jacob, secretário executivo da Comissão Nacional Justiça e Paz, da Conferência Episcopal do Paquistão, em declarações à agência FIDES.

A lei da blasfémia, já condenada internacionalmente, visa ofensas ao Islão e tem sido frequentemente usada, naquele país, contra cristãos e fiéis de outras religiões que não a muçulmana.

“Trata-se de um autêntico atentando à dignidade humana e à verdade” sublinha Jacob, garantindo “tudo ir fazer para que o veredicto seja revogado e anulado, através de apelo”.

De acordo com os dados da Comissão Nacional Justiça e Paz, da Conferência Episcopal do Paquistão, só nos últimos dois meses já se registaram cinco casos de acusações de blasfémia, dirigidas pela comunidade muçulmana a elementos de religião cristã.

Asia Bibi, 45 anos, foi acusada de blasfémia e condenada à morte

A sentença contra Asia Bibi, mãe de cinco filhos, foi divulgada na última semana por um tribunal de Nankana, a cerca de 75 quilómetros de Lahore, capital cultural do país.

Para o bispo de Islamabad, Rufin Anthony, trata-se de uma “verdadeira vergonha”, apelando ao fim da lei contra a blasfémia, no Paquistão.
O caso remonta a Junho de 2009, quando mulheres muçulmanas que trabalhavam com Asia Bibi foram ver um responsável religioso e acusaram a cristã de proferir blasfémias contra o profeta Maomé.

Várias ONG’s do Paquistão estão a recolher assinaturas para revogar a condenação à morte, juntando-se a instituições católicas.

O observatório para a liberdade religiosa no mundo da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) afirma a respeito do Paquistão que "o pior instrumento de repressão religiosa é a lei da blasfémia, a qual continua a causar cada vez mais vítimas".

Esta lei refere-se na realidade ao Artigo 295, B e C, do Código Penal paquistanês. A secção B refere-se a ofensas contra o Alcorão que são puníveis com prisão perpétua; a secção C refere-se a actos que enxovalham o profeta Maomé, puníveis com prisão perpétua ou com a morte.
 
Fonte: Teologia, Filosofia e Graça

DIGA SIM A LIBERDADE RELIGIOSA E NÃO A RESOLUÇÃO DA DIFAMAÇÃO DA RELIGIÃO

1. O que é a Resolução da Difamação da Religião?
A resolução foi apresentada e votada de várias formas e sob vários nomes desde 1999. Espera-se que ela seja votada novamente na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas em dezembro de 2010. A primeira campanha da Difamação da Religião realizada pela Organização da Conferência Islâmica (OIC, em inglês), teve como alvo a “Difamação do islã”, mas posteriormente, voltou a ser considerada como “Difamação da Religião” para receber apoio de vários países. Até este ano, o islamismo foi a única fé especificamente mencionada nas resoluções do Conselho dos Direitos Humanos da ONU e que foi aprovada pela Assembleia Geral. Em março de 2010, uma nova versão foi apresentada ao Conselho. Mais uma vez era referente à islamofobia, mas também incluía a menção ao anti-semitismo e cristianofobia e foi votada como lei por uma pequena maioria. Porém, proteger o islã é claramente o foco da resolução.
2. O que está errado com a Resolução da Difamação da Religião?
A Resolução da Difamação da Religião busca criminalizar palavras ou ações consideradas contra uma religião em particular, nesse caso, o Islã. Embora os proponentes justifiquem que o conceito da “difamação de religiões” proteja a prática religiosa e promova a tolerância, ela, na verdade, promove a intolerância e viola a liberdade de religião e de expressão para as minorias religiosas – especialmente cristãos.
Os direitos humanos são exatamente isso – direitos pertencentes a indivíduos – mas essa resolução procura dar esses direitos a uma religião específica. Ela vai contra a lei dos direitos básicos que existem para proteger os seres humanos, não as crenças religiosas ou os sistemas.
A Resolução da Difamação da Religião tem o poder de dar legitimidade internacional para leis nacionais que punem a blasfêmia ou, por outro lado, proíbem críticas a uma religião. Por exemplo, a lei da blasfêmia em alguns países tem sido usada para justificar ações que restringem seletivamente dissidentes civis, proíbe a critica de estruturas políticas e restringe os discursos religiosos das comunidades de fé minoritárias, afasta membros de crença majoritária e pessoas de fé religiosa. Sob essas leis, acusações criminais foram impostas contra os indivíduos por difamação, insulto, ofensa, afronta e blasfêmia ao islã, que frequentemente
3. A perseguição está realmente acontecendo?
Sim!
Paquistão:
As leis de blasfêmia no Paquistão são geralmente usadas de forma abusiva pelos muçulmanos como ferramenta de vingança contra cristãos e outras minorias em disputas por terras e outras questões. Nenhuma prova é necessária para acusar alguém de blasfêmia e levar essa pessoa à prisão.
Em 3 de março, Ruqqiya Bibi e seu marido Munir Masih foram sentenciados a 25 anos de prisão sob a Seção 295-B do Código Penal paquistanês por profanar o Alcorão. Eles foram presos pela polícia de Mustafabad em dezembro de 2008 por tocar no livro sagrado do islã sem se lavar conforme o ritual. A punição por profanar o Alcorão é prisão perpétua, o que equivale a 25 anos no Paquistão.
O casal foi acusado de usar o Alcorão para magia negra, e que durante o processo, Ruqqiya tocou no livro sem passar pelo ritual de limpeza. Também foram acusados de escrever o credo do islã nas paredes de sua casa. O advogado deles disse que a acusação surgiu de uma discussão entre crianças muçulmanas e cristãs que acabou em um conflito entre seus pais.
Sudão:
Outro incidente de abuso das leis da “difamação da religião” que teve muita publicidade foi um caso ocorrido em novembro de 2007, no qual uma professora britânica foi sentenciada a 15 dias de prisão por “insultar a religião”, após ter nomeado um ursinho de pelúcia “Maomé”. O nome foi escolhido em homenagem a um aluno popular na classe chamado Muhammad.
4. O que a Portas Abertas Internacional está fazendo?
A Portas Abertas Internacional está organizando uma ação que faz parte da campanha Free to Believe para conscientizar as pessoas sobre a ameaça dessa resolução para a liberdade religiosa e para impedir que ela seja votada na Assembleia Geral das Nações Unidas.
Isso inclui:
A Portas Abertas Internacional está organizando uma petição global para coletar assinaturas em todo o mundo em apoio à liberdade religiosa e recomenda que a Resolução da Difamação da Religião seja rejeitada.
A Portas Abertas está trabalhando de forma diplomática nas Nações Unidas.
Muitos escritórios da Portas Abertas em diferentes países estão influenciando seus governos a destacar o assunto e aumentar a pressão para assegurar que muitas outras nações votem contra a resolução.
5. Por que é urgente?
A Resolução da Difamação da Religião tem sido apresentada na Organização das Nações Unidas desde 1999. Porém, tem havido uma diminuição significante no apoio à resolução nos últimos anos e existe uma grande chance de que ela seja rejeitada este ano. Ações conjuntas neste momento podem fazer toda a diferença.
Tentativas de influência consistentes, as ações populares e a consciência da mídia sobre o assunto são necessárias para alcançar o equilíbrio e, finalmente, derrotar a resolução. Até que seja rejeitada, ela continua dando legitimidade à legislação nacional como as leis de blasfêmia no Paquistão, que são usadas para restringir a liberdade religiosa, principalmente aos cristãos.
6. Relatório de votação da reunião na Assembleia Geral da ONU ano passado:
O esboço da resolução da difamação da religião (documento A/64/439/Add.2, parte II) foi adotado pela Assembleia Geral da ONU pelo registro de votos de 80 a favor, 61 contra, com 42 abstenções, conforme segue:
A favor: Afeganistão, Argélia, Angola, Azerbaijão, Barein, Bangladesh, Barbados, Belarus, Butão, Bolivia, Brunei, Camboja, Chade, China, Comores, Congo, Costa do Marfim, Cuba, República Democrática Popular da Coreia, República Democrática do Congo, Djibuti, Domínica, República Dominicana, Egito, El Salvador, Eritreia, Etiópia, Gabão, Guinea, Guiné-Bissau, Guiana, Indonésia, Irã, Iraque, Jordania, Cazaquistão, Kuweit, Quirguistão, República Democrática Popular do Laos, Líbano, Líbia, Malásia, Maldivas, Mali, Mauritânia, Marrocos, Moçambique, Mianmar, Namíbia, Nicarágua, Níger, Nigéria, Oman, Paquistão, Filipinas, Catar, Federação Russa, São Vicente e Granadinas, Arábia Saudita, Senegal, Cingapura, Somália, África do Sul, Sri Lanka, Sudão, Suriname, Suazilândia, Síria, Tadjiquistão, Tailândia, Togo, Tunísia, Turquia, Turcomenistão, Uganda. Emirados Árabes Unidos, Uzbequistão, Venezuela, Vietnã, Iêmen.
Contra: Andorra, Austrália, Áustria, Bélgica, Bulgária, Canadá, Chile, Croácia, Chipre, República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Geórgia, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Israel, Itália, Latvia, Listenstaine, Lituânia, Luxemburgo, Malta, ilhas Marshall, México, Micronésia (estados federais), Mônaco, Montenegro, Nauru, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Palau, Panamá, Papua Nova Guiné, Polônia, Portugal, República da Coreia, República da Moldávia, Romênia, Santa Lúcia, Samoa, São Marino, Sérvia, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia, Suíça, República da Macedônia, Timor Leste, Tonga, Ucrânia, Reino Unido, Estados Unidos, Uruguai, Vanuatu.
Abstenção: Albânia, Antigua e Barbuda, Argentina, Armênia, Bahamas, Belize, Benin, Bósnia e Herzegovina, Botsuana, Brasil, Burquina Faso, Burundi, Camarões, Cabo Verde, Colômbia, Costa Rica, Equador, Guine Equatorial, Fiji, Gana, Grenada, Guatemala, Haiti, Honduras, Índia, Jamaica, Japão, Quênia, Lesoto, Libéria, Malawi, Ilhas Mauricio, Mongólia, Nepal, Paraguai, Peru, Ruanda, São Cristóvão e Neves, Trindade e Tobago, Tuvalu, Tanzânia, Zâmbia.
Ausente: República Central Africana, Gâmbia, Quiribati, Madagascar, São Tomé e Príncipe, Seicheles, Serra Leoa, Ilhas Salomão, Zimbábue.
7. Quais países fazem parte da Organização da Conferência Islâmica?
Afeganistão, Albânia, Argélia, Azerbaijão, Barein, Bangladesh, Benim, Brunei, Burquina-Faso, Camarões, Chade, Comores, Costa do Marfim, Djibuti, Egito, Gabão, Gâmbia, Guiné, Guiné-Bissau, Guiana, Indonésia, Irã, Iraque, Jordânia, Cazaquistão, Kuweit, Quirguistão, Líbano, Líbia, Malásia, Maldivas, Mali, Mauritânia, Marrocos, Moçambique, Níger, Nigéria, Oman, Paquistão, Palestina, Catar, Arábia Saudita, Senegal, Serra Leoa, Somália, Sudão, Suriname, Síria, Tadjiquistão, Togo, Tunísia, Turquia, Turcomenistão, Uganda, Emirados Árabes Unidos, Uzbequistão, Iêmen.
Divulgue em sua Igreja
Ajude a conscientizar as pessoas sobre a ameaça contra a liberdade religiosa compartilhando sobre a campanha Free to Believe com seus amigos, sua Igreja e seu pequeno

Fonte: Portas Aberta

O preparo para ser uma águia!

    PARA REFLETIR !!!             
A águia, após ter o filhote, ela o acomoda em um ninho bem confortável.
Ela coloca pedras, gravetos, folhas e por último, palha.
O ninho fica macio, gostoso e ela o alimenta.
Mas qdo o filhote já tem condições de voar, ela o força a sair do ninho.
Primeiro, ela tira a palha, depois as folhas, os gravetos, deixando somente as pedras.
Como as pedras o machucam, o filhote ñ tem escolha, ele é obrigado a voar.
E ela o ajuda. A princípio, um vôo tímido. Ela o deixa cair...
Quando ele pensa q ñ tem mais jeito, ela dá um rasante e o pega, levando-o de volta, pra Novas tentativas de vôo, até q ele consiga voar sozinho, alcançando as alturas.
E ela fica feliz ao ver seu filhote voando.
As vezes Deus faz assim conosco, retira as proteções do ninho pra nos forçar voar mais alto. O Senhor quer q alcancemos as alturas! Não tenha medo, vc pode voar.
Deus é contigo! Faça das dificuldades oportunidades...
Voe bem alto ao encontro da sua vitória...

Uma semana Vitorioso  cheia de Bençãos Pra vc 
Amo nossa amizade!
Beijos no coração.........

quarta-feira, 2 de março de 2011

Jesus era Fariseufobico? de Alexandre Grego


Jesus em todo seu ministério foi acompanhado de perto pelos fariseus, constantemente era afrontado pelos mesmos. Diversas vezes na Palavra, Jesus os repreendeu dizendo serem como sepulcros caiados, e reprovava a forma como viviam. No capitulo 23.1-36 de Mateus Jesus fala duramente aos fariseus reprovando sua pratica de vida. ( Jesus envia uma repreensão bombástica aos fariseus depois de advertir seus seguidores contra eles. O Senhor direciona sua condenação à hipocrisia dissimulada, cheia de forma exterior mas desprovida de realidade espiritual externa. Comentário Biblia Estudo Plenitude pag.981).
Então será que Jesus praticava a Fariseufobia? Será que Jesus era um Fariseufóbico? Não!!!
Jesus reprovava as práticas destes fariseus e não eles em si, assim hoje acontece em nossa sociedade, quando falamos contra o homossexualismo, o alcoolismo,não estamos reprovando a pessoa em si e sim a prática daquele mau. Estamos inseridos no mundo e com certeza precisamos fazer a diferença no meio de todos, e não só no meio dos homossexuais. Precisamos ser sal e luz também na vida dos alcólatras, dos drogados, dos adúlteros, pois esta é a ordem de Jesus para a igreja.
Mas precisamos parar com um discurso legalista e dizer que há uma discriminação contra os homossexuais. Será que então não podemos mais ensinar as crianças o caminho da VERDADE?Pois estaremos sendo homofóbicos,alcolatrafóbicos e etc.Como igreja na terra precisamos sim, levantar a nossa voz e ir contra as praticas imorais, porque isso não tem nada a ver com biblia e sim com bom senso e principios.


DIVULGUEM!!

A União de Blogueiros Evangélicos, neste ato representada pelos associados abaixo assinados, vem, mui respeitosamente, repudiar publicamente a atitude do Excelentíssimo Ministro do Meio Ambiente, sr. Carlos Minc, que, no dia 18 de maio de 2009, durante discurso no Palácio Guanabara, no Rio de Janeiro , afirmou o seguinte: "Tem alguns momentos em que a Igreja erra feio. Um deles é a questão da camisinha. Se a gente fosse atrás da Igreja, quantas pessoas não estariam doentes? Outra questão é a da homofobia. Como é que uma religião pode dizer que é fraterna e solidária com todos se pressiona os parlamentares a não aprovarem a lei que criminaliza a homofobia?"; e ainda completou: "Quem se opõe à aprovação dos projetos que criminalizam a homofobia é corresponsável pela multiplicação dos crimes que nada têm de fraternos e solidários". Como que fornecendo o corolário para a discussão do problema, conforme as agências noticiosas, o ministro também forneceu o emblemático número de três mil crimes por homofobia, nos últimos dez anos no Brasil.

Sobre o desastroso pronunciamento do sr. Ministro, a UBE entende:

1) Que o Ministro pode e deve se manifestar no exercício democrático do seu juízo. Inclusive, discordando da posição da Igreja e dos cristãos de uma forma geral; afinal, a livre manifestação do pensamento é garantia assegurada pela Carta Magna em seu art. 5º, inciso IV.

a) Desmatamento recorde. Provavelmente ao término deste texto o tamanho de uma quadra de futebol de árvores foi abaixo, em nome da ilegalidade e da exploração desordenada;
b) Poluição desmedida de nossos rios e costas. As matas ciliares estão em franco desaparecimento e os rios brasileiros agonizam;

c) Crescimento desordenado de nossas cidades, com déficit sensível de saneamento básico;

d) Impunidade nos delitos contra a natureza;
e) Ausência de políticas de longo prazo para o meio ambiente, tais como implantação da sustentabilidade plena em áreas de preservação ambiental.


Em suma, diante do fiasco à frente do Ministério do Meio Ambiente, o excelentíssimo senhor Carlos Minc procura desesperadamente por visibilidade advogando causas estranhas à sua pasta. Como militância na marcha da maconha e portavoz de evento gay.